17.7.15

A POLÊMICA DO GLÚTEN

por Samanta Morelli - Nutricionista



Muitas questões precisam ser esclarecidas quando o assunto é glúten. Essa proteína vegetal tem causado muita polêmica, visto que a dieta sem glúten vem sendo realizada até mesmo por pessoas que não têm doença celíaca.

Quem nunca excluiu o glúten de alguma refeição do dia porque leu na revista da moda, acompanhou a reportagem da atriz magérrima, ou porque sentiu um certo inchaço ou desconforto e ouviu falar que pode ser por culpa dele?

Essa dieta, que antes era praticada apenas por necessidade, vem conquistando novos adeptos que estão interessados em perder peso ou ganhar saúde. O cardápio desaprova a farinha de trigo e seus derivados, como pão e macarrão, e proíbe qualquer alimento que contenha trigo, aveia, malte, centeio e cevada -incluindo cerveja, por conterem naturalmente glúten em sua composição. A promessa é melhorar a função do intestino, diminuir o inchaço e até acabar com a enxaqueca.

Como dito anteriormente, o glúten é uma proteína vegetal que no organismo de pessoas sensíveis, pode provocar reações adversas como diarreia, flatulência e fadiga. A sensibilidade mais comum e conhecida é a doença celíaca, intolerância ao nutriente que atinge cerca de 1% da população.

Para quem tem a doença, ficar longe do glúten é fundamental. Para pessoas saudáveis, há controvérsia. Diante da questão, o próprio Conselho Regional de Nutricionistas da 3ª Região, que inclui o Estado de São Paulo e do Mato Grosso do Sul, lançou um parecer oficial sobre o tema em dezembro de 2011. O documento informa que a recomendação de restrição de consumo de glúten deve ser destinada aos pacientes com diagnóstico clínico confirmado de doença celíaca, alergia ao glúten ou sensibilidade ao nutriente. Salientando ainda que esse diagnóstico clínico é de competência exclusiva do médico.

Até o momento não existe nenhuma evidência científica que justifique a restrição total do glúten na dieta para promover a perda de peso de pacientes com sobrepeso ou obesidade, que não tenham doença celíaca ou sensibilidade a essa proteína. De maneira geral, a adesão de dietas antiglúten pode resultar em baixa ingestão de alimentos ricos em carboidratos que, de forma indireta, pode favorecer a perda de peso.

Um estudo realizado em ratos mostrou que uma dieta isenta de glúten teve efeitos benéficos em reduzir o ganho de peso e a inflamação das células do corpo, no entanto, os dados obtidos não são suficientes para justificar uma recomendação de restrição ao glúten entre os pacientes com excesso de peso.

Isso tudo nos mostra pessoal, que não devemos ser radicais. É importante que um diagnóstico seja feito antes de imediatamente eliminarmos a proteína da alimentação de pessoas que queiram emagrecer ou curar um problema digestivo. O glúten não faz mal para a população em geral, mas é importante que cada caso seja considerado individualmente com a ajuda de um profissional nutricionista habilitado.

No próximo post vou explicar pra vocês a diferença entre doença celíaca, alergia ao glúten e sensibilidade ao glúten. Aguardem!!!



Fale com a Nutri!

Samanta Morelli - Nutricionista especializada em nutrição clínica, apaixonada por comer bem e saudável. É personal diet e atende na Inspire Fit (Móoca) - telefones (11) 2776-3538/ (11) 97984-2078.

8 comentários:

  1. Eu também concordo! Espero o próximo post para entender melhor sobre a sensibilidade ao glúten!

    Thais
    www.agendafocoecozinha.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oba \o/ o proximo já esta ai! =^^= Bjs e obrigada!

      Excluir
  2. Muito interessante. Eu não retirei nada da minha alimentação já que não tenho restrições, até acho meio complicado ficar sem trigo. Amo massas, pães, wraps e afins. Bom saber que não faz mal. Moderadamente não prejudica, eu acho.

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordamos plenamente! Tudo em exagero vai causar algum mal...
      Tambem amo Deia!!! =^^= Bjs

      Excluir
  3. Pela minha experiência, o que faz mal mesmo, tanto para a saúde quanto para o peso é a quantidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade... isso quando a pessoa não tem realmente alguma doença ... porque ai a coisa é seria mesmo rsrsrs =^^= Bjs e obrigada!

      Excluir
  4. Como vegana, eu consumo muito bife de glútem, e fico bem, pois não tenho essa restrição. Muita gente condena porque diz que faz mal, claro que faz, mas para quem tem a doença.
    muito bom o post!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Samanta! Ficamos feliz que tenha gostado!
      Você tem razão... hoje em dia as pessoas vão muito pelas modinhas e acabam nem sabendo se realmente aquilo faz mal né? muita gente parando de consumir...
      Uau vegana? Ainda chego lá!

      Beijo e obrigada pela visita!

      Excluir

=^^= Comentário =^^=